16 maio 2006

O GENERAL SEM MEDO


Assinalou-se ontem o centenário do nascimento de Humberto Delgado.
No dia em que faria cem anos, foi lançado um livro sobre a faceta menos conhecida do "General sem Medo": a carreira na aeronáutica e de piloto da aviação civil.
O homem que morreu por ter ousado contrariar o regime de Oliveira Salazar, foi ontem homenageado no Aeroporto da Portela, em Lisboa, pelo seu papel de impulsionador da aviação civil em Portugal. Em 1945, Humberto Delgado fundou a TAP, 20 anos antes de ser assassinado pela polícia política da ditadura.

Humberto Delgado nasceu a 15 de Maio de 1906, em Boquilobo, Torres Novas. Em 1944 assumiu a direcção do secretariado de aviação civil. Um ano depois fundou a TAP a pedido de Salazar.
Tornou-se num dissidente quando, em nome da oposição democrática, concorreu contra Américo Tomás na campanha presidencial de 1958.
Vítima de fraude eleitoral e perseguido, exilou-se no Brasil, onde preparou um plano para derrubar Salazar que falhou.
Saíu do país e foi para a República da Argélia. Com a cumplicidade cobarde de Salazar, foi assassinado numa cilada da PIDE, na fronteira de Badajoz, em Fevereiro de 1965. O corpo de Delgado foi escondido no caminho de "Los Malos Pasos", a cerca de sete quilómetros de Villanueva del Fresno.
A minha homenagem ao General sem Medo.
Fica, de Alexandre O´Neil, O POEMA POUCO ORIGINAL DO MEDO...que Humberto Delgado nos ensinou a não ter...porque isso seria exactamente o que o medo quer!

O medo vai ter tudo
pernas
ambulâncias
e o luxo blindado
de alguns automóveis

Vai ter olhos onde ninguém os veja
mãozinhas cautelosas
enredos quase inocentes
ouvidos não só nas paredes
mas também no chão
no tecto
no murmúrio dos esgotos
e talvez até (cautela!)
ouvidos nos teus ouvidos

O medo vai ter tudo
fantasmas na ópera
sessões contínuas de espiritismo
milagres
cortejos
frases corajosas
meninas exemplares
seguras casas de penhor
maliciosas casas de passe
conferências várias
congressos muitos
óptimos empregos
poemas originais
e poemas como este
projectos altamente porcos
heróis
(o medo vai ter heróis!)
costureiras reais e irreais
operários (assim assim)
escriturários (muitos)
intelectuais (o que se sabe)
a tua voz talvez
talvez a minha
com certeza a deles

Vai ter capitais
países
suspeitas como toda a gente
muitíssimos amigos
beijos
namorados esverdeados
amantes silenciosos
ardentes
e angustiados

Ah o medo vai ter tudo
tudo

(Penso no que o medo vai ter
e tenho medo
que é justamente
o que o medo quer)

*
O medo vai ter tudo
quase tudo
e cada um por seu caminho
havemos todos de chegar
quase todos
a ratos

Sim
a ratos.

4 Comments:

Blogger CÁ FICO said...

Grupo dos Amigos de Olivença
www.olivenca.org


Divulgação 05-2006



100.º Aniversário do nascimento do General Humberto Delgado

Na passagem do 100.º Aniversário do nascimento do General Humberto Delgado,
o Grupo dos Amigos de Olivença presta sentida Homenagem ao Lutador pela
Causa da Olivença Portuguesa e seu antigo Dirigente.
Defensor apaixonado das causas em que acreditava, o General Humberto
Delgado desde cedo manifestou a mais ardorosa determinação na sustentação
dos Direitos de Portugal e desenvolveu esforços para alcançar a retrocessão
de Olivença.
Quando apresentou a sua candidatura à Presidência da República, em 1958,
era Presidente da Assembleia Geral do Grupo dos Amigos de Olivença.
Combatente da Liberdade e da Justiça, ao General Humberto Delgado não podia
passar silenciado o drama histórico que a ocupação estrangeira de Olivença
significava.
O seu amor à Velha Terra Portuguesa de Olivença foi das grandes motivações
a que não regateou esforços.
Honrando a memória do General Humberto Delgado, lutemos nós, Portugueses de
hoje, tal como ele o fez, pela Olivença Portuguesa!
Essa é a Homenagem que lhe devemos.
Lx., 20-05-06.
A Direcção



__________________________________
Rua Portas Santo Antão, 58 (Casa do Alentejo) - 1150-268 Lisboa - Tlm. 967
431 769 - Fax. 212 590 577
www.olivenca.org olivenca@olivenca.org

________________
olivenca@olivenca.org .

16 maio, 2006 19:20  
Blogger Clave said...

Infelizmente hoje já não existem muitos homens como Humberto Delgado, e os que existem são silenciados das mais variadas formas, os valores da Liberdade estão totalmente deturpados pelos poderosos.

17 maio, 2006 08:47  
Blogger UNIVERSALEX said...

concordo...E um grave problema que surge eperigoso par a Liberdade é o daqueles que se querem arvorar em salvadores da pátria, e pilares dessa mesma Liberdade..ou seja querem perpectuar as benesses e s prebendas de que beneficiaram com este novo regime nascido após o Estado Novo...è triste que os homens de cada regime queiram perpectuar-se no Poder enos lugares chave do Poder...Poderia citar inúmeros exemplos, e não é o caso da Fundação Mário Soares nem da Fundação Humberto Delgado, que por si só Tem causas nobres e ultrapassam o alcance e estão para além do Regime...Importa que não fiquemos mais arreigados ao passado.. e que deixemos fluir o futuro...

17 maio, 2006 16:32  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

O General Sem Medo não morreu! O seu exemplo perdura no comportamento daqueles que se revêem na sua postura, na sua idiossincrasia indomável, na sua crença nas virtualidades de um regime sem censura e em liberdade plena.

A minha homenagem: visite o meu blog:

http://www.rouxinoldebernardim.blogspot.com

19 maio, 2006 19:03  

Enviar um comentário

<< Home