07 dezembro 2008

TOIROS

foto de Fernando Salgueiro


CÂMARA COMPRA PRAÇA E ACABA COM TOURADAS, li há uns dias atrás, no Diário de Notícias.
Com epicentro em Viana do Castelo, a esperança voltou a ter côr à minha volta.
Na Póvoa, a Praça de Touros foi adquirida pelo Município há mais de vinte anos.
Na altura era membro da Assembleia Municipal e votei a favor dessa aquisição.
Aparentemente, na Póvoa, seria mais fácil dar o passo seguinte: acabar com touradas, garraiadas e afins.
Mas na Póvoa, prisioneiros dos seus estranhos preconceitos, os decisores políticos gastam mais energia a exibir a brutalidade da sua força eleitoral do que a orientá-la para concretização da modernidade.
Na Póvoa, o padroeiro anda demasiado ocupado com os naufrágios em que vai rodopiando o poder local, que se arrasta por uma maioria autocrática, arrogante e obstinada. Com o naufrágio das piscinas na memória, e o presságio do naufrágio do bom senso, o santo faz tudo para manter a possibilidade da inteligência emergir do confronto com as ondas encapeladas do alto mar da mediocridade política. Tão oupado que está nesta espécie de sarilho que tenta trazer do fundo uma luz de sabedoria, S. Pedro não tem tido tempo sequer para convidar a ajuda de outros santos.
Em maior sossego, lá no monte sereno onde acontecem horizontes mais amplos, por certo Santa Luzia ilumina sem dificuldade as gentes do Lima.

Em 17 de Março de 2008, tentei e não consegui!

Tornar a Póvoa de Varzim, a minha terra, a terra que me havia elegido Vereador, a PRIMEIRA CIDADE ANTI-TOURADA DE PORTUGAL!

Uma cítrica maioria - que envergonha a social-democriacia - chumbou a proposta sem sequer arriscar um argumento. Usou apenas o argumento do exercício de um poder, que, ainda não percebeu, lhe foi emprestado e é efémero.

O Presidente DEFENSOR DE MOURA tem todas as condições para o conseguir!
Aqui o saúdo, saudando os que o acompanham. E saúdo a caminhada que se inicia em Viana do Castelo com a certeza de um tempo de maior dignidade que engrandecerá o Homem!

E aqui lhe deixo o bom desafio ao passo seguinte:
tornar Viana do Castelo, mais a norte e com mais norte na mente e na alma, a PRIMEIRA CIDADE ANTI-TOURADA DE PORTUGAL!

12 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Ó Garcia, tem todo o direito em ser anti do que quizer, nada contra, só que os outros também têm todo o direito em serem anti o que lhes apetecer, designadamente em serem anti os que são anti touradas, entende???

Democracia é também respeitar a opinião dos demais, as touradas por muito que choquem as susceptibilidades de alguns (que não se importam nada com a miséria humana que grassa por este mundo fóra, se calhar até têm um vizinho a necessitar de ajuda mas viram a cara para o lado, ou mudam de passeio para não terem que dar esmolha) não são nada comparado com o sofrimento humana a que todos os dias assistimos e por quem não vejo ninguém se importar.

Os animais, seja touro ou outro qualquer merecem todo o nosso respeito, (até um bom bife de touro no prato) mas por favor, há causas muitos mais nobres e importantes a defender...

07 dezembro, 2008 13:06  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Ele gosta de gentes!
No entanto também tortura a gente do seu município com IMI elevado e, vem confessar que o é, chorando lágrimas de crocodilo, como se também ele fosse vítima da decisão da maioria.Fazer o mal e a caramunha! é o que está a dar!!!

Touradas é o que há mais, até nos tribunais!

Mas... e longe vá o agoiro, espera-se não ver reeleito o toiro!...

07 dezembro, 2008 13:59  
Blogger CÁ 70 said...

Porque é que alguém tão instruído tem medo de escrever "de caras"?

Quando é que eu impedi alguém de ser o que quer que seja?
Contudo, o direito a qualquer coisa é tanto mais respeitável quanto é justificado.
A única coisa que reclamo, por isso, é por argumentação...já agora séria e bem fundamentada e não meros sound bits sem conteúdo!
Será pedir muito?

07 dezembro, 2008 18:22  
Blogger Manuel CD Figueiredo said...

O grande Mahatma Gandhi disse:

"A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo como os seus animais são tratados".

Neste aspecto, a nação poveira é de muito pequena grandeza!

07 dezembro, 2008 21:01  
Blogger cristina said...

É curioso como a falta de argumentos lógicos é prontamente colmatada com o insulto torpe ou, usando linguagem futebolística, o chuto para canto. O Sr.anónimo, que nem coragem tem para dar o nome, acha que conhece o perfil (como se houvesse só um) das pessoas que são contra as touradas; deve ser feliz nesse seu mundo a preto e branco, mas evite comentar sobre o mundo real do qual, pelos vistos, pouco ou nada conhece. Nós defendemos vítimas, sr.anónimo, independentemente da espécie a que pertencem. Assim como nos vê na luta contra essa prática ignóbil que é a tortura e morte de uma animal para divertimento e lucro de algumas pessoas, ver-nos-ia também noutras lutas pelos direitos humanos, se delas fizesse parte.
Democracia não é só respeitar a opinião dos outros, é sobretudo, garantir os direitos fundamentais de todos, até das minorias. Nós damos voz àqueles que não a têm para defender o seu direito à vida e à dignidade da sua condição.
Democracia também é ter o direito de escolher as causas a que nos dedicamos e não hierarquizarmos as causas a que entendemos que os outros se devem dedicar. Por isso, sr. anónimo, dedique-se às suas causas e respeite o direito dos outros de escolherem as suas.

Quanto ao rouxinol de Bernardim, devo dizer que o seu trinado desafina. Para já, o comentário devia ser sobre o tema em questão e não sobre outra coisa qualquer. Para além de extemporâneo, é um comentário falacioso e revela que não faz ideia de como se calcula o IMI; vou dar-lhe uma novidade: o mesmo é calculado pelo serviço de Finanças local e não pelos autarcas.

E agora o âmago da questão: num país em que as carências em sectores fundamentais como as reformas, a saúde, a educação são gritantes, faz algum sentido o dinheiro dos contribuintes ser desviado para a indústria tauromáquica desta forma escandalosa? A indústria encontra-se em declínio pela evidente falta de públicos e o Estado - que deixa fechar fábricas que são, muitas vezes, o sustento da maioria da população de algumas vilas - arroga-se o direito de desviar verbas para manter de pé a indústria tauromáquica. Fomos chamados a decidir se queremos que os Fundos europeus destinados ao sector agrícola sejam desviados para as ganadarias? Perguntaram-nos se concordamos que as autarquias utilizem verbas públicas para patrocinar espectáculos de tortura pública para satisfazer o vício de alguns em vez de canalizar as verbas para suprir necessidades básicas dos seus munícipes? Alguém presta contas das verbas anualmente gastas pelo canal público de televisão na defesa da causa tauromáquica, tornando a RTP num veículo de interesses privados?

Parabéns ao Presidente da Câmara de Viana do Castelo, que teve a coragem de reconverter um monumento à barbárie num centro de cultura e ciência. Parabéns ao J.J.Garcia que teve a coragem de lutar por aqueles que não lhe dão votos, demonstrando que não está na autarquia para cuidar narcisicamente da sua carreira política.

Pode ser que estas acções isoladas inspirem outros autarcas a investir no progresso e na mudança de mentalidades dos municípios que servem.

08 dezembro, 2008 11:49  
Blogger Ramon Gallardo said...

Sr. Anónimo... Li o seu comentário e essa estreiteza de pensamento choca-me tanto como me desilude. Todas as causas que lutem por acabar com todos os tipos de sofrimento são causas nobres e justas. O sofrimento não é exclusivo do ser humano!!! Julgo que esse ponto é inegável, ou não???. Vejo mais depressa um militante anti-touradas defender o ser humano do que alguém que aprecia ver um animal sofrer. O mundo vai ser um sítio melhor no dia em que acabarem com as touradas. Respeitar as opiniões, sim, encolher os ombros ante a tortura.. NÃO. JAMAIS. Não é assim que o mundo evolui.

08 dezembro, 2008 12:27  
Anonymous poetaporkedeusker said...

Boa noite, meu amigo. Sou a Maria João Brito de Sousa, mas assinarei com o meu nick, poetaporkedeusker.
Muito lhe agradeço o convite para visitar este blog. Li o comentário do senhor Anónimo. Infelizmente é assim que a maioria das pessoas desinformadas e/ou desinteressadas reage a este tipo de causas... é pena. É mesmo pena.
Aproveito para lhe deixar o link para o http://mumbles.blogs.sapo.pt/ e, se gostar de poesia, para o meu blog dos "sonetos diários" http://poetaporkedeusker.blogs.sapo.pt/
estou com pouco tempo livre, mas terei todo o prazer em linkar o CÁ 70 no mumbles e no poetaporkedeusker.
Um abraço!

09 dezembro, 2008 00:59  
Anonymous Gonçalo Francisco said...

Hoje em dia é moda ser-se "anti-touradas" neste país...
Autoproclamam-se defensores dos animais mas não distinguem um toiro bravo de um rinoceronte.
Ao comerem uma galinha, um bife, um coelho, já não se preocupam como esses animais são criados e a forma como morrem. Se forem ao campo ver como é criado um toiro bravo durante 4 anos, talvez mudem de opinião. Enquanto que os animais que servem para o prato são mortos a maioria deles nem com um ano de vida.
Não gostam, não são obrigados a assistir a corridas de toiros, da mesma forma que não são obrigados a comer o que não gostam.
Inúmeras corridas de toiros são organizadas com objectivos de apoios a instituições de caridade ou a particulares necessitados,
enquanto que os anti-touradas com nada disso se preocupam...
Manifestem-se contra o consumo de drogas, contra a "violencia" gratuita psicologica dos maus exemplos de vivencia de sociedade espelhados em telenovelas e até em desenhos animados, manifestem-se contra a fome, contra o aumento da criminalidade.
Quanto aos toiros e às corridas, aprendam primeiro o que são e como funcionam.

11 dezembro, 2008 12:46  
Blogger Ramon Gallardo said...

Hoje em dia é moda ser-se anti-touradas????? Estou pasmado com este comentário. Falo por mim e por muitos defensores dos direitos dos animais como eu. Muito evoluiu a forma como são tratados os animais que infelizmente morrem para nos alimentar. Mas ainda há um longo caminho a percorrer. O seu comentário mostra que não sabe do que está a falar. Se calhar devia ler um bocadinho (muito).
Porque o animal vive 4 anos no pasto temos o direito de o torturar numa luta desigual??? As praças de touros são restaurantes por acaso ou matadouros? Os galdiadores romanos também eram bem tratados, alguns até tinham direito a massagens mas todos sabemos como muitos acabavam.
Os 'anti-touradas' não se preocupam com mais nada??? Não entendo que pesquisa fez ou com quem falou para chegar a essa conclusão!! As corridas de toiros organizadas para apoiar instituições de caridade são realmente um contra-senso. O consumo de drogas parte da opção de cada um. Infelizmente alguns optam por esse caminho. Quanto à violência, ela está bem presente nas touradas. O ser humano tem a capacidade de se manifestar contra aquilo que acha que está errado. As touradas são uma das coisas que nem deviam existir. Se o tópico desta página é "Toiros", não percebo a razão da parte final do seu comentário. Toda a gente sabe bem como 'funcionam' as corridas de touros e como não são sequer luts justas.
O caminho mais fácil é deixar tudo como está mas o mundo só melhora se houver mudança. Aconselho-o a ler para crer e veja que as grandes mudanças encontraram sempre resistência. Foi assim com a escravatura e foi assim com a pena de morte.

11 dezembro, 2008 19:53  
Anonymous Rita Ferreira said...

é impossível ler o último comentário e não ficar revoltada

"Inúmeras corridas de toiros são organizadas com objectivos de apoios a instituições de caridade ou a particulares necessitados,
enquanto que os anti-touradas com nada disso se preocupam..."

não há nada de extremamente incoerente e absurdo nesta frase?

afirmar que há pessoas que contribuem para uma 'causa nobre', recebendo em troca umas horas de 'puro prazer' com o sacrificio de uma VIDA!

Em que universo se sacrifica uma VIDA para ajudar outras?Em que universo isso faz algum sentido?

A segunda parte da frase não vou comentar por querer acreditar que foi um acto irreflectido e inconsequente.

Sou ainda uma jovem, mas faz-me alguma confusão ouvir falar de democracia sem que se defenda o respeito e dignidade de tudo e todos quantos habitamos o tão frágil e massacrado planeta TERRA...que democracia é essa em que um qualquer ser 'pensante' tem um qualquer direito sobre todos os restantes seres? A única força à qual reconheço tão absoluto poder chama-se NATUREZA

para terminar dizer que se 'é moda ser anti-tourada' então a humanidade ainda pode ter esperança...quem dera que todas as modas fossem tão respeitadoras dos direitos de todos e com um proposito tão louvável

12 dezembro, 2008 02:24  
Anonymous Gonçalo Francisco said...

O problema dos anti-touradas é que nunca souberam respeitar ninguém ! Nota-se pelas manifestações que fazem junto às praças de toiros, ao serem malcriados com insultos a toda a gente. Sou forcado e numa corrida em Torres Vedras assisti cá fora antes da corrida, ao apedrejamento por parte de manifestantes ao cavaleiro Luis Rouxinol, pedras essas atingindo cavaleiro e cavalo. É assim que querem alguma vez conquistar a atenção de alguém ???

Quanto à sua resposta senhor Gallardo (até tem nome de toureiro), digo-lhe já que não me conhece de lado nenhum para medir ou tentar medir o meu nivel de cultura geral, muito menos aconselhar-me a ler ou a aprender o que quer que seja.

No mundo da tauromaquia, são-nos transmitidos valores de respeito, educação, solidariedade, deferência pelos mais velhos, cortesia, romantismo e muitos mais.

Volto a perguntar porque motivo não se manifestam relativamente à morte ou tortura de animais que servem para alimentação ? Por hipocrisia ? Serão todos os anti-touradas vegetarianos e consequentemente anti-natura ?
Um toiro bravo desde há séculos que é criado, apurado e seleccionado para ser lidado numa praça de toiros. Caso acabassem as corridas, esta espécie bovina estinguia-se já que a carne é um sub-produto. Não é animal desenvolvido e criado para abate, já que a carne para alimentação humana não será a melhor.
Frangos em aviários, porcos em pecuárias, vacas leiteiras, vivem e crescem em autênticos armazéns totalmente fechados, cuja lotação em muito ultrapassada nos limites, sem verem a luz do dia. Agora comparem como vive um toiro bravo... Mas isso não vos interressa porque a ignorância e a hipocrisia não o permitem, porque aí já mexia com os prazeres de quem se manifesta !

Após uma corrida de toiros, este animal pode voltar para o campo caso as qualidades de bravura atinjam os niveis elevados, para padrear - tornando-se toiro semental tal como garanhões nos cavalos e campeões nos cães.
Caso contrário irá para o matadouro visto que um toiro bravo não pode ser lidado mais do que uma vez.
As feridas são desinfectadas e curadas. Poucos dias após uma corrida um toiro está completamente restabelecido - lógicamente que não se compara com a morfologia humana.

Quanto à Rita Ferreira, já mostrou que não faz ideia do que sequer é a democracia... e depois sai-se com esta : "que democracia é essa em que um qualquer ser 'pensante' tem um qualquer direito sobre todos os restantes seres?"
Então a menina alimenta-se de quê ??? Mesmo que seja vegetariana, na sua optica com que direito é que um vegetal é arrancado da terra pela raiz ???

Cumprimentos a todos, Optimo Natal e por falar nisso, lembrem-se dos perús, dos cabritos, dos ovos... Não será tudo isto para divertimento ?

15 dezembro, 2008 16:55  
Blogger Ramon Gallardo said...

Caro Sr. Gonçalo Francisco. Sou obrigado a responder-lhe porque não me parece que se tenha esforçado muito para compreender o que escrevi. Em primeiro lugar, se fala do desrespeito de alguns manifestantes anti-touradas, sou obrigado também a falr-lhe das ameaças e insultos que muitos de nós, 'anti-touradas' somos alvo. Já por mais de uma vez, enquanto colava cartazes anti-touradas vi posta em perigo a minha integridade física e isto passou-se longe de uma praça de touros.
Mais. Diz que "No mundo da tauromaquia, são-nos transmitidos valores de respeito, educação, solidariedade, deferência pelos mais velhos, cortesia, romantismo e muitos mais." A mim esses valores foram-me transmitidos muito cedo, muito antes de eu saber sequer o que eram touradas e por isso considero-me em vantagem.
E eu sou obrigado a perguntar-lhe novamente. Que pesquisa fez para saber se muitos de nós lutam ou não contra a maneira como crescem os animais de abate. Aconselho-o a ler http://en.wikipedia.org/wiki/Animal_rights. Antes de mais o que está por trás das touradas é o simples divertimento de ludibriar e torturar um animal que não tem as mesmas armas numa luta sempre desigual. Se não fosse desigual mais vezes o touro atingiria os seus agressores o que não acontece. As brincadeiras com touros remontam aos minoicos da ilha de Creta que sem infligir danos físicos ao touro saltavam sobre ele demonstrando agilidade em exibições de valentia. Já nesse tempo existiam os touros bravos. A existência do touro bravo não é da responsabilidade do homem. O homem apenas aputrou a raça, como fez com os bulldogs ou certas raças de cavalos. Ora bem, Se o homem deixar de existir não entendo porque o touro bravo deixaria de existir também.
Quando fala dos vegetais, aconselhava-o a informar-se uma vez que as plantas não tem sistema nervoso central e não sentem dor da mesma forma que um animal de sangue quente. Isto está cientificamentre provado. Mesmo partindo do princípio que os defensores dos animais comem carne respondendo assim a uma necessidade fisiológica, o problema das touradas é que são completamente desnecessárias e causam sofrimento terrível e stress a um pobre animal por exclusivo divertimento de alguns. As touradas podem comparar-se à caça inglesa à raposa que felizmente foi abolida. O exemplo inglês é na verdade um caso de como as sociedades podem evoluir.
E volto a dizer-lhe. Muito foi feito para que os animais que infelizmente são sacrificados, sofram o menos possível mas não deve ter sido à custa de pessoas como o Sr.
Não percebo como pode criticar a Rita Pereira quando no seu primeiro comentário diz que "hoje em dia é moda ser-se anti touradas".

15 dezembro, 2008 23:42  

Enviar um comentário

<< Home