27 dezembro 2008

EM ÁGUAS DE BACALHAU


Ao jantar, dei comigo num registo tão surrealista como o de algumas coisas que acontecem à nossa volta. Percebi, por fim, a razão da tradição do fiel amigo com batata cozida, legumes e azeite, se manter de pedra e cal, na ceia de Natal. É que, definitivamente, na cidade e no país, a impunidade está à tona e tudo o resto é deixado em águas de bacalhau.

3 Comments:

Blogger Manuel CD Figueiredo said...

Gosto muito de bacalhau, praticamente de todas as maneiras; não gosto de bacalhau com natas porque me faz lembrar umas certas pessoas untuosas, que detesto.

A espécie de bacalhau em questão, que se dá bem em ambientes de impunidade, é do género GRAÚDO, do tipo ESCAMUDO e difícil de agarrar; é adequado para preparar o "bacalhau bazófia" e óptimo para "punhetas de bacalhau"(*).

(*)receita de José Carlos Rodrigues, em "Petiscos à Portuguesa".

28 dezembro, 2008 18:57  
Anonymous Mário Silva said...

Com o devido respeito, não me parece que esse registo surrealista seja consequente. Primeiro porque o cozido não é tradição geral no país nem mesmo na cidade, depois, se fosse assim, já se teria esgotado o bacalhau nos mares, tanta é a impunidade que graça por esse mundo fora.

30 dezembro, 2008 19:44  
Anonymous Francisco said...

Já agora também querem acabar com o bacalhau no Natal ???

02 janeiro, 2009 16:16  

Enviar um comentário

<< Home