14 outubro 2008

PERPLEXIDADES CAPITAIS


Agora, que, nos Estados Unidos, na Europa dos 25 e até por cá, os milhões do Estado não faltaram para acudir à Banca (sem cuidar de responsabilizar quem promoveu o modelo neo-liberal, pelo comentário político, pela acção política concreta, ou na gestão da coisa a troco de mordomias escandalosas..), porque é que continuam a faltar os milhões do Estado para a cudir os pobres e combater a exclusão social e a fome?
Francis Fukuiama anunciou ao mundo em 1990 o triunfo do capitalismo e do neoliberalismo. É hoje ainda mais claro que Fukuiama e os seus satélites por todo o mundo nunca tiveram razão.
É urgente uma nova ideologia para se sobrepor a este modelo suportado por uma ideologia que é contra a Humanidade!

3 Comments:

Blogger CÁ FICO said...

Não...
O que se verifica mais uma vez é a lógica hegeliana da tese-antitese e sintese...Ou seja a vaticinada por Brezinsky, na sequencia das teorias de Milton Friedman e no sentido oposto ao neoliberalismo nas sim na Teoria da Convergência dos Sistemas (Capitalismo + Socialismo)...

14 outubro, 2008 09:32  
Blogger Mário de Sá Peliteiro said...

Macedo Vieira nesta matéria concorda consigo mas a mim, como diria Twain, parece-me que as notícias sobre a morte do capitalismo são manifestamente exageradas.

14 outubro, 2008 14:14  
Anonymous A.Moreira said...

Não posso deixar de discordar quando se pretende ver a dita ajuda como um beneficio exclusivo á Banca. A eventual falencia traria muito mais complicações á bolsa do cidadão comum do que á dos accionistas. Para não falar dos seus depósitos pergunto se já pensaram onde estão aplicados as verbas dos fundos de pensões e dos descontos efectuados para a Seg. Social?
Por outro lado, o que está em causa é exclusivamente a panaceia da mão invisivel( mercado) que tudo resolve e não o capitalismo regulamentado.Que eu saiba nenhum outro sistema terá contribuido mais para a luta contra a pobreza do que o actual, quando sujeito a regras que impeçam o liberalismo desenfreado.

17 outubro, 2008 16:39  

Enviar um comentário

<< Home