26 dezembro 2006

EMBUSTE






















No mesmo dia, nas páginas do mesmo jornal, a notícia e o comentário disputam o mesmo espaço da realidade.


ASSIM SE FEZ A NOTÍCIA

O jornalista esteve lá.
Perguntou, ouviu, viu e escreveu com objectividade:

“Silva Garcia, vereador do PS no executivo camarário, prometeu levar o problema do saneamento em Aguçadoura às próximas reuniões de Câmara: “é uma situação lamentável e infelizmente não é só em Aguçadoura que acontecem casos onde existe um colector instalado mas em que não há meios para fazer a ligação das casas ao próprio colector. Por outro lado, é preciso analisar com cuidado os preços da ligação e a ineficácia dos serviços municipais em fazer a ligação à rede de saneamento. A isto acresce um verdadeiro embuste, ou seja, chamar estação de tratamento de águas residuais a um caixa que está instalada junto às dunas, no ponto terminal deste sistema, que nem o tratamento de esgotos faz. A política não pode ser feita de um somatório de mentiras e os poveiros têm que saber que há todo um discurso que não corresponde à realidade. O PS continua empenhado na resolução destes problemas”.

A Voz da Póvoa, edição de 2006.12.21, in SOCIALISTAS DE AGUÇADOURA PREOCUPADOS COM SANEAMENTO


ASSIM SE FEZ O COMENTÁRIO
Do outro lado da mesma rua, o comentador escreveu:
“Uma comitiva socialista foi à freguesia de Aguçadoura e descobriu que uma parte do saneamento básico não funciona. Os dirigentes locais do PS, em vez de se informarem porquê, resolveram montar uma campanha contra a Câmara da Póvoa e a Junta de Freguesia. O inefável vereador Garcia falou mesmo em “embuste”. O executivo camarário anda a gastar fortunas em saneamento básico que depois não funciona? Ficámos perplexos. Fomos imediatamente saber o que estava a acontecer. Afinal, nada de especial. Uma zona da freguesia de Aguçadoura precisa de uma estação elevatória para que o saneamento funcione bem. Acontece que o melhor local para construir esse equipamento é um terreno que pertence a particulares. A Câmara Municipal está a negociar com os proprietários a sua compra. Até as negociações ficarem concluídas, não vale a pena procurar uma alternativa. Afinal a montanha pariu um rato, com aspecto de ratazana dos esgotos. Meus senhores, se não têm nada de interessante a dizer, podem estar calados. Ninguém é obrigado a falar.

A Voz da Póvoa, edição de 2006.12.21, in CONVERSA AFIADA


O inefável vereador Garcia falou mesmo em “embuste”: diz o comentador, que não esteve lá, que não ouviu, nem viu, nem sequer se deu ao cuidado de conhecer.
Mas, se fosse lá, se ouvisse e visse, tiraria a mesma conclusão inefável que o vereador Garcia: a alegada “ETAR”, inaugurada em 26 de Outubro de 2003 por Macedo Vieira, com direito a placa, é de facto um EMBUSTE!

Se Aguçadoura fica longe e curtas as pernas, o Comentador poderia ter solicitado aos amigos que lhe dão as boas informações, uma cópia do Estudo Técnico elaborado em 2005 pela Empresa Águas do Ave, a propósito do Sistema Saneamento de Águas Residuais – SAR – Póvoa de Varzim e Vila do Conde. E se o lesse, confirmaria o embuste:
Actualmente, a zona litoral do concelho da Póvoa de Varzim, abrangendo as freguesias em torno da sede do Município, dispõe de redes de drenagem, ema alguns casos unitárias e antigas, sem a existência de qualquer tipo de tratamento. A existência de unidades de tratamento de águas residuais verifica-se unicamente nas freguesias de Laúndos e de Terroso, cuja capacidade instalada é de, respectivamente, 3.000 habitantes e 300 habitantes, servido parte das freguesias referidas.”


Citando o comentador, "afinal a montanha pariu um rato, com aspecto de ratazana dos esgotos".
Ninguém é obrigado a deturpar a realidade.





3 Comments:

Blogger Manuel CD Figueiredo said...

Na última Assembleia Municipal tratou-se do Orçamento e das Grandes Opções do Plano (GOP)para 2007; fartaram-se os porta-vozes de serviço de tecerem elogios às "magníficas obras" no concelho, com destaque para o saneamento e particular realce para o sistema de tratamento de Aguçadoura: exemplar, disseram!
Não ouvi nenhum vereador (nem sequer o do Ambiente) referir que afinal ainda havia problemas em Aguçadoura.
Nada!
Não vi o presidente da Junta daquela freguesia mexer um dedo ou pedir a palavra para explicar que nem tudo estava bem.
Os jornalistas relataram o que viram e ouviram, em Aguçadoura. E viram a monumental placa da inauguração do tratamento, que afinal não trata!
No mesmo jornal o "inefável" comentador (?) comenta o que não viu nem ouviu; e mostra conhecer os problemas de Aguçadoura, que só conhece quem quer esconder a verdade.

27 dezembro, 2006 20:03  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Atenção:

É preciso respeitinho por aqueles senhores que foram SUFRAGADOS pelo voto! Chamar EMBUSTEIROS é perigoso! Pode dar mais um processo judicial... se cuidem!

O SUFRÁGIO deu-lhes uma espécie de livre-trânsito, de passaporte... ainda que seja para a asneirada e para a leviandade...

Aquela placa se calhar foi colocada por VOCÈS, seus tratantes, que passam a vida na maledicência. Não acredito que os SUFRAGADOS fossem caír nesse chico-espertismo saloio...

Aquela placa deve ser obra vossa, seus maledicentes, seus caluniadores; ela está ali só para atingir os SUFRAGADOS...

28 dezembro, 2006 14:27  
Blogger joe said...

mt sinceramente ao ver cm anda a politica na povoa cada vez mais me convenco de uma coisa...Nao vale a pena andar a dar boas ideias pa este executivo chumbar por que lhes apetecem....continue Arquitecto, os poveiros estao atentos! abraço!

09 fevereiro, 2007 11:50  

Enviar um comentário

<< Home