19 novembro 2006

DEVOLVO À PULGA A COMICHÃO



Ouvi um chinfrim surdo, com cheiro a tipografia, numa página perdida de um suplemento mediático. Vinha bem lá de baixo, mesmo abaixo do solo, do subterrâneo vermeteiro.
O som anárquico, como o de qualquer ruído que ameaça a saúde pública, esticava-se acima da própria frequência, num hertziano esforço de ocupar um lugar na vida, por efémero que fosse.
A vida, complacente, cansada da insistência deu-lhe um minuto de atenção.
Exclamei: Outra vez, Vianez?
Ainda troquei palavras com a vida. Disse-lhe que não valia a pena ligar ao que é pequeno, quase invisível.A vida foi insistindo com o argumento de que até as pulgas merecem atenção por uma vez, nem que seja para lhes devolver a comichão.
Por isso, exclamei com paciência de chinês: Outra vez, Vianez?
Às duas por três, lá vem ele, soez, o novo cão de guarda da sordidez reinante!
Às duas por três dá-lhe o apagão. Apaga-se a frágil lucidez, indefesa perante o voluntarismo cúmplice das trevas medonhas.
Às duas por três, como um lobisomem em fase de lua-cheia, lá arreganha os dentes da mentira para agradar aos chefes e atira-se em passos adamastores à estrada da ignomínia. A mentira não é mais do que um expediente dos fracos e dos atrapalhados, um instrumento ao serviço de mais uma tentativa de assassinar politicamente os incómodos.
Compreende-se essa pouca origininalidade que o faz extensão e prolongamento escravo daquilo que já fizeram os seus deuses do momento. Cada um é como é, e faz as piruetas que a coluna vertebral lhe permite!
Mas, outra vez, Vianez?
Não achas demasiado grande essa minúscula pequenez
Daí de cima ,desse banquinho cego, com as mãos a impor surdez à mente, afinal o que vês?
Mas, sobretudo, como te vês?
Como na Bíblia, apontas a poeira nos olhos dos outros. Já a tranca que te turva a visão, essa não vês, não é Vianez?
Que exercício fizeste tu afinal senão o da reles maldicência, sem fundamento, mas prenhe de desonestidade intelectual, típica dos cães de guarda mais pavlovianos do mundo?
Chamado a reflectir sobre a expressão “Sou mediático, logo existo”, não perdeste um segundo, vencido pela imparável sineta que te desperta os instintos agressores contra os inconformados e os que não vão por aí!
Portaste-te à altura do tripé de onde espreitas, zé-ninguém que nada acrescenta, a não ser atrasos à civilização.
Ora, como não tenho medo da estupidez, nem nunca tive medo da canalha, publico aqui as tuas palavras, o pensamento obtuso de quem quis ser mediático mas não conseguiu disfarçar a viscosidade intelectual.
“(…) sou mediático, logo…existo. Vejamos a este propósito, aquilo que se passa na nossa terra com o líder da oposição no executivo, Arq. Silva Garcia, que utilizando o tabuleiro “blogueiro” ( é um meio de comunicação como outro qualquer), serve ou pensa que serve a comunidade Poveira com um conjunto de opiniões descabidas em relação a tudo o que mexa, ao bom jeito de “Eu-sei-de-tudo-e-sobre-tudo” e em tom de “Acima-de-mim-só-Deus”.
(…) Todos sabemos que quando o Arq. Silva Garcia é chamado a decidir numa situação verdadeiramente séria, tende a repetir um comportamento de inviabilização à partida, fazendo disso um objectivo de atitude política normalmente seguida de verdadeiros “lençóis” com a respectiva justificação de voto. (…)
(…) Este fenómeno é conhecido e tratado por especialistas da psicologia, dentro do capítulo da “Racionalidade de Ricochete”. A consequência deste comportamento, é que este tipo de políticos baseiam em razões e critérios completamente desajustados à realidade, a sua convicção sobre a melhor opção.(…)”
In A opinião que se publica, Joaquim Vianez – Póvoa Semanário, suplemento da edição de 2006.11.15
Depois da leitura deste exercício pinoquez, confirma-se que, ao contrário do que afirma sobre Silva Garcia, Vianez está convencido de que não é deste tipo de políticos: não tem opiniões descabidas, não tem o jeito de “Eu-sei-de-tudo-e-sobre-tudo”, nem o tom de “Acima-de-mim-só-Deus”. Não escreve nos lençóis os votos que não declara, nem cria factos e acontecimentos sem sustentação. Não utiliza a crueldade grosseira do tipo mal-dizer, nem fomenta as chamadas “Não-notícias”! Muito menos precisa de consultas de psicologia.
Vianez, perdido no poder da mentira, também não é uma Não-notícia!
Com Deus apenas acima de mim, concluo sem mais quês: o pensamento em viela de má fama do Joaquim, autodenominado falcão, do bando das aves de rapina, as da "politica real", nem sequer é VIA para NEZ (à francesa)! É poluição, é traição… faz mal à respiração!
Nota final.Procurei na enciclopédia a palavra vianez. Encontrei vianês (com ésse): significa vianense, natural de Viana. Mas, como o Falcão prefere o zê e não consta do Livro dos Assentamentos da Princesa do Lima, afinal não existe, ou não passa de um equívoco!
Se não existe, não pode ser mediático. Será, quando muito, um pesadelo medieval.

16 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Por onde anda a politica Poveira?!!!!
O "Insulto" e a "Trica Pessoal" não é o melhor caminho.

JB

20 novembro, 2006 12:09  
Blogger CÁ 70 said...

Tem toda a razão, JB!

Mas, sabe, paciência tem limites e quem não se sente não é filho de boa gente!

O problema está quando, não havendo argumentos politicos, os atigidos recorrem sistematicamente à mentira e à pessoalização. Foi o que fez, mais uma vez, o Vianez!

BASTA!

20 novembro, 2006 12:15  
Blogger CÁ FICO said...

Quem tem medo dos blogs? Quem?
porque não são controlaveis pelo poder da laranja.. nem da maçã?
Nem da rosa, nem da seta nem da bola ao centro nem de nenhum outro e assim é que está bem...
Porque é que esse tal Vienez ( inexistente mediático), não de Viana mas de viena da austria (não confundir da Ostria que é o reino ficticio da Pérolas), esse tal púlitico dos massmédia, não critica (até impliciamentese contradiz) os Laranjinhas aqui ao lado de "marrocos" que bemhá +uco "zurziam" nas orelhas do MAlmeida, atravez dos blogs e outros que tais?

20 novembro, 2006 13:48  
Anonymous Anónimo said...

Quem é esse gajo com pera que se chama ca70?

20 novembro, 2006 13:55  
Anonymous P.Martins de Andrade said...

O Vianez é um vendidolas !
Sem pre andou a lamber as botas aos ricos...o que ele faz na política é ser comissário dos ricos e poderosos. Disseram-me que agora era presidente dos Lions!!!
Como é possível?

20 novembro, 2006 13:56  
Anonymous Psi Ricochete said...

«Este fenómeno é conhecido e tratado por especialistas da psicologia, dentro do capítulo da “Racionalidade de Ricochete”.» Só não percebo onde foi o Vianez buscar estas lições de psicologia. Terá sido por nunca ter acabado o curso de Economia mesmo depois de lá ter andado a marrar 15 anos???
E agora ter uma coluna de analista económico no independente «Povoa Semanário»???

A consequência desteNão sabia era que o Vianez era mestre em posicologia

20 novembro, 2006 17:11  
Blogger Dimas Maio said...

Aprecio,sobremaneira,a sua prosa.
Desta feita, dou mais valor à forma do que ao conteúdo.
É fortemente mordaz,exercendo a força metafórica.
Quando quer, produz belos textos literários.
Os meus parabéns !

Se me permite o meu blog é:
mardemaio.blogspot.com

20 novembro, 2006 19:28  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Querem derrubar todas as ÁRVORES da Póvoa!

Mas a ÁRVORE virtual (Cá-7O) continuará a purificar o ambiente para bem da saúde pública!
Bem haja!

21 novembro, 2006 08:21  
Anonymous P. Quintas said...

O Vianês não passa de um subproduto do tachismo reinante!

21 novembro, 2006 09:28  
Anonymous Anónimo said...

O Rouxinol disse uma grande verdade, o ca70 não passa de uma ÁRVORE virtual. Porque em termos reais... não vale mesmo nada.

21 novembro, 2006 10:38  
Blogger Marx said...

Creio também, como alguns comentários já o adiantaram aqui, que o nível do texto não será o melhor. Numa perda incomensuravelmente maior para o Arq. Garcia. A manutenção de certos padrões, designadamente de exigência pessoal, passa por manter o sangue-frio e o discernimento em todas as situações. O que, creio, é essencial num político, muito mais quando se propõe (e deseja!) ser diferente. Independentemente do objecto do "debate" e perceptíveis picardias anteriores, ou sobretudo por isso, não se percebe porque caíu na esparrela deste combate menor.

21 novembro, 2006 18:26  
Anonymous Anónimo said...

Arquitecto Garcia.
Tenho acompanhado o seu trabalho e posso assegurar que é excelente e os seus adversários já perceberam bem isso. Está a fazer moça.
Não há só um Vianez, há muitos Vianezes, sempre próximos do poder e muito obedientes.
São uma espécie de mercenário, que trabalham com objectivos.
Também partilho a opinião de emprestar o seu tempo a combater os mercenários é um erro enorme.
É evidente que o poder instalado o tem na mira, já contratou os "atiradores" para o derrubar.
A sua guerra não é dar troco a esses "atiradores", despreze-os e concentre a sua acção na defesa do seu projecto político, que foi nesse projecto que depositei o meu voto .
Estas "pulgas" não se calam com o emaranhado do seu texto. Elas morrem de morte natural, basta que haja mais asseio, mais transparência e menos corrupção na nossa autarquia.

Eleitor e seu apoiante

22 novembro, 2006 01:53  
Blogger Qtolomeu said...

Não perca tempo com arraia-miúda...

22 novembro, 2006 12:55  
Blogger Dimas Maio said...

Caro arquitecto Garcia:
Como não consigo, de outro modo, contactar com"Roxinol de Bernardim" para lhe agradecer o comentário,a propósito do meu post:
"Com a candeia de Dmóstenes à procura de um Homem",vai permiir-me que o faça aqui:

´" Há já uns bons tempos que eu gosto de ouvir o canto deste Rouxinol.
Muito obrigado pela cantiga de sua amiga,teresa de Jesus! Quem sou eu para me permitir uma tão engraçada e mordaz poesia? É o satírico popular, quadras de versos em redondilha maior(heptassílabos, de métrica perfeita. Apenas uma sugestão : como delapidação e lapidação são quase unissonantes, por que não substituir lapidação por, castração ou quejando ?
O seu comentário está publicado, na íntegra em comments e em links"

dimasmaio@netcabo.pt

24 novembro, 2006 17:26  
Anonymous trabalhador da camara said...

Arquitecto

Não quero deitar mais lenha para a fogueira, mas as pessoas que aqui vêm dizer que não deve reagir a estes vermes, não têm razão!

Hoje ouvi na Rádio Mar um ataque dos mais sórdidos e rasteiros que se pode imaginar contra a sua dignidade como pessoa.
De novo esse Vianêz que revelou uma preversidade moral inominável.
Desta vez foi mesmo longe de mais ao referir-se à questões de natureza íntima e privada...num nível execrável demais.

Não sei como é possível a sociedade tolerar um energumeno deste calibre!
Como é possível este homenzinho ser presidente dos Lions?
O que pensam disso os seus companheiros? Sentem-se representados por tal pessoa, sem escrúpulos nem um pingo de ética?

Peça para ouvir a entrevista.
Veja ao que chega o ódio e o servilismo ao poder de algumas pessoas!

E prapare-se: isto não é mais do que um dos momentos de uma cabala montada para o tentar destruir, desmotivnado-o da sua acção política! Você está a encomodar o boi que está a comer. Por isso, vão tentar desanimá-lo, aborrecê-lo, provocá-ló...Primeiro começaram a atacá-lo a si. Agora já envolvem a sua intimidade e a sua família...

Mas não desista.
Isso é o que querem!
Precisamos de si para acabar com esta podridão!!!

25 novembro, 2006 18:53  
Anonymous armax said...

Este Vianez, ainda consegue ser mais pequeno como "homem??" do que de tamanho. Sabe o que é que se faz a estas criaturas?? Nada. Afinal já têm uma existência tão miserável.

28 novembro, 2006 17:02  

Enviar um comentário

<< Home