08 julho 2006

UMA CULTURA DE VITÓRIA




Não percebo de futebol e, desde os quinze anos, não frequento os estádios.Todavia, como qualquer pessoa sensível, posso deliciar-me com uma jogada bem construída – quase diria bem arquitectada. Num movimento de atletas, trocando a bola no espaço e no tempo num caldo de espontaneidade, acontece muitas vezes a expressão estética que pode proporcionar tanto prazer como noutra manifestação cultural.
Por isso, apesar de não correr atrás e de não ir à bola de conversas que às vezes ocupam tempo demais com o futebol, dele fazendo depender o presente e o futuro de todas as humanidades, também me envolvi minimamente neste Campeonato do Mundo. Vi o Portugal-Holanda-Inglaterra-França…

O que retenho depois de um mês de milhões espectadores do Campeonato do Mundo de Futebol num país de excelência que quis expurgar culpas psicológicas que ainda tem de uma tenebroso passado relativamente próximo?
Para Portugal, uma cultura de vitória, finalmente!
Uma nova cultura que, depois do Euro 2004, começa a acabar com a tradicional e doentia auto comiseração e auto diminuição em relação a outros povos do mundo!
Mas, também, uma cultura de trabalho, de organização, de esforço… de nos esfarraparmos para tentar alcançar a vitória!
É que, depois de tudo isso, pode não haver vitórias fulgurantes, mas sem isso a derrota é inevitável!

Os atletas portugueses liderados pelo brasileiro Filipão, mostraram tudo isso: espírito de equipa, capacidade de definir objectivos, de planificação e de organização, e, sobretudo, de suar por um objectivo!

É exemplo para todos, para que as vitórias aconteçam em todas as dimensões do nosso quotidiano!

Hoje, Portugal vai ganhar...

9 Comments:

Blogger napontadocais said...

Estava à espera de um comentário a falar acerca de outra vitória, contra a arrogancia de um presidente de câmara que anula concursos por não gostar quem sabe da cara das pessoas. Esta sim foi uma vitória não só para uma pessoa, mas para uma cidade onde muitas pessoas já sentiram esse tipo de atitudes por parte dos caciques locais.

08 julho, 2006 13:50  
Anonymous Pedro Bandeira said...

Julgo que o post anterior se refere à sentença do Supremo que deu razão à empresa do Arquitecto numa acção que teve a coragem de colocar contra a Câmara em 1996! Lembro-me bem de ter ouvido dizer que a empresa, ou o grupo de empresas - já não sei bem - a que estava ou está ligado o Arquitecto, ter ganho um concurso público e que o presidente da câmara anulou por retaliação, por causa de uns artigos de opinião escritos pelo Arquitecto.

Parabéns pela vitória sobre a arrogância e pelo abuso do poder que estão no sangue do Vieira e dos que o bajulam!

Pedro Bandeira

08 julho, 2006 16:45  
Anonymous Carla Barbedo said...

O Macedo Vieira vem dizer que a indemnização pedida pelo Garcia à Câmara é um exabero, e por isso é imoral...

Mas, quem fez a ilegalidade? Macedo Vieira.
Quem foi prejudicado?
O Garcia.

Então,ele é que faz asneira e é imoral que o Garcia peça uma indemnização?
É imoral que peça um valor alto? Ele pode pedir o que quizer! Cada um pede o que acha que pode minorar ou corrigir os prejuízos causados, que nunca são apenas materiais... Mas, quem decide é o Tribunal!

Por falar em altas indemnizações... Também foi o Macedo Vieira que anulou a licença de construção da Maripraia, não foi? O que fez esta empresa? Construiu uma sapata que fosse? Não!
Quanto pediu à Câmara como indemnização? Li nos jornais que foram UM MILHÃO E QUINHENTOS MIL CONTOS!
O Presidente fez um acordo extrajudicial. ESTAMOS TOSOS A PAGAR À MARIPRAIA 750.000 contos! Ele acha que fez um bom acordo!
Para a Maripraia foi de certeza!

Mas, usando o mesmo que propõe para o Garcia, não deveria ter pago apenas 10%, ou seja 150.000 contos? Ou será que acha que, ao pagar 750.000 contos, o prejuízo causado pela sua decisão aquela empresa foi de 7 milhões e emio de contos?

Isto há cada um!!!

08 julho, 2006 17:00  
Anonymous rui oliveira said...

"Não percebo de futebol e, desde os quinze anos, não frequento os estádios."... Eis um passo para perder cerca de 4.000 votos nas próximas eleições. É que nesta frase está implícito prever que caso seja eleito nas próximas Autárquicas, irá colocar o Clube mais representativo da nossa Cidade, em pé de igualdade com o Limianos e Vianense (só para falar no Norte) cujas Vila e Cidade com muito mais potencial que a nossa Póvoa e, devido aos seus Presidentes se estarem "marimbando" para o futebol, têm os seus Clubes mais emblemáticos a penar pelas Distritais futebolísticas. As prioridades serão outras? Com certeza! De acordo.
Mas de certeza também que nem só de trabalho vive o homem.
E até o Sr. acabou por fazer este "post" no seu Blogue, devido à excelente prestação da nossa Selecção.
Como constata, o desporto rei mexe com todos, como tal não pode ser desprezado.
Cumprimentos cordiais.

09 julho, 2006 01:08  
Blogger Clave said...

Caro Rui Oliveira
Está certo pensar só em futebol e deixar o desnvolvimento de uma cidade para último plano????
Eu até estou de acordo com apoios da autarquia ao Varzim, mas não mais do que isso, se não podem não paguem salários que pagam, se naõ podem estar na 1ª liga vão para a 2ª, mas será que o Varzim é mais importante que o saneamento básico chegue a toda o concelho? e as estradas? e o tratamento do das águas residuais que vão tal como são recolhidas direitinhas para o mar?
E a cultura? e as escolas? e os infantários??????????????????
Pensem antes de falarem!!!!!!
O Arqtº estava a referir-se a outras vitórias.
Esperemos para mudar a Póvoa nas próximas eleições.

11 julho, 2006 13:50  
Blogger CEFAS said...

Pois..é curioso com um bom post acabou por descambar em leituras políticas nos comentários...As lógicas partidárias baralham muitas consciências...quando o Silva Garcia fala em ~vitórias por alcançar refere-se a coisas que estão por fazer...penso eu.Mas se algumas dessas vitórias forem alcançadas pela maioria actual então passam a ser o quê?Vitórias reconhecidas ou derrotas da oposição?Pior é se essas vitórias que faltam se resumem apenas à mudança dos figurões no poder...

Em relação ao futebol tão mal tratado por alguns intelectuais cá do burgo digo apenas que o futebol já fez mais por grandes questões mundiais do que muita tinta que se vai deitando em livros e jornais...o futebol fala ao coração de ricos e pobres e quem quiser realmente mudar alguma coisa tem que agarrar uma bandeira e ir ao encontro das pessoas...ainda que para alguns seja uma coisa banal no futebol tem-se amor a uma causa,na política falta gente que ame mais além da sua própria inteligência e que tenha paixão pela sua Terra ou pelo seu País...

11 julho, 2006 22:55  
Anonymous pobeirinho sem ser pela graça de deus said...

Fico estarrecido quando leio algumas opiniões aqui expressas, caso de Rui Oliveira e Cefas. Se um cidadão não gostar de futebol, segundo estes amigos, é certo e sabido que não devem pensar em serem candidatos a nada, pelo menos autárquico. Que horror. Foi para isto que fizemos um Estado Democrático? O futebol pode ter muita importancia, mas é muito mais importante a Educação, social, civica, democrática e, se falarmos em termos de captação de desenvolvimento, por exemplo turistico, com 10% do que se gastou com o Varzim, tinha a Póvoa tido mais e melhor imagem, quer no País, quer no estrangeiro. Falemos de coisas sérias, com seriedade e conhecimento. O futebol só é um bom veículo de propaganda na mente de alguns, que nos tomam por lorpas, e que nos tentam vender a árvore como floresta. Já agora, se os actuais capatazes do PSD resolvessem aquilo que mais falta à Póvoa faz, e que pertubou alguém que aqui questionou, sabendo se com essas resoluções, isso seria vitória. Pois claro que seria uma vitória, não do PSD, mas da Póvoa. Ou os senhores só lá estão para se servirem?

12 julho, 2006 03:28  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Duas doenças atacam este País: a futebolite aguda e a partidarite!

Quando se misturam é o "fim da picada"!

12 julho, 2006 10:35  
Blogger UNIVERSALEX said...

AS vitórias desportiva tem o condão de não causar danos profundos na generalidade dos cidadão..ao contrário de outras vitórias...

A história mostra-nos exemplos devitoriosos que sendo considerados herois não passaram de autenticos facinoras etorcionários.. etambém nos mostra derrotados que foram verdadeiros herois...

12 julho, 2006 13:12  

Enviar um comentário

<< Home