28 março 2006

VIRAM POR AÍ O GARRETT?


VEM AÍ O GARRETT!
A Câmara Municipal começou, no mês passado, as obras de recuperação do Cine-teatro.

Como chuva de molha tolos, assim se pintava o rosto da Folha Municipal de Abril de 2005!
Assim se lançava aos quatro ventos a vela dos mil enganos!

Meses depois, num jornal local, o título berrante continuava a farsa: “Obras no Teatro Garrett decorrem a bom ritmo”. O mesmo jornal, que na mesma edição esclarecia que apenas se estava a consolidar a estrutura da parte frontal, porque a fachada ameaçava ruir. E informava que, segundo Pereira, ainda iam avançar com os projectos de execução.
Não consegui impedir que a cabeça oscilasse tingida pela estupefacção!
Puxei pelo fio da meada e calcorreei os anos do impasse e cheguei a Janeiro de 2005, o mês do megacartaz: vem ai o Garrett! Era como se gritasse entre duas mãos encurvadas para fazer eco.
A seguir, pouco antes da contenda eleitoral, o cerco à fachada e a investida teatro adentro com picaretas e outros instrumentos de demolição. Uma brigada municipal desmontou dramaticamente as entranhas da casa. A fachada ficou solta. Foi preciso montar um aranhiço para a segurar.

Vem aí o Garrett, era a palavra guerreira dos apressados conquistadores. Já não se sabia bem se Garrett era Almeida ou Vieira. Mas ele vinha aí. E o objectivo da gritaria desenhada no megacartaz acompanhada à percussão pelo bater das picaretas demolidoras ía-se cumprindo como estratégia de arrecadação de votos nas urnas desta democracia imberbe. Vem aí o Garrett, ecoava na nossa mente. O megacartaz encomendado a uma empresa da especialidade, cumprira bem a sua missão e era agora recolhido como vela envergonhada.

Vinha aí o Garrett, mas, ao fim de mais de um ano ninguém o vê.
Andará perdido em viagens na minha terra?

A recuperação do Garrett decorria a bom ritmo, dizia o jornal… Ao ritmo da ilusão trapaceira, qual ente de rapina, ocupado numa obscena voracidade eleitoral

A obra decorre a bom ritmo…completamente parada! A este ritmo bom temos a certeza de que, pelo menos, o edifício não se pisga dali!
Ainda se fazem os desenhos, mesmo sem se conhecer o projecto cultural que vão servir.
E ainda hoje não se sabe donde virão os reais para a construção.
Em Setembro de 2005, Pereira dizia que o Presidente conseguira incluir a intervenção no Cine-Teatro Garrett no plano da zona de jogo e um financiamento de cerca de um milhão e 250 mil euros (250 mil contos).Em Janeiro de 2006, na listagem de obras candidatas aos apoios do Instituto de Apoio ao Turismo o Garrett, divulgada pelo Presidente, não consta das obras candidatadas ou a candidatar!
Do cesto da gávea não se avista terra firme, apenas outra ilusão.
Sem a outorga real do povo, neste oceano plano e hirto, tendo ao leme a figura estática sem o vento da vontade nem a energia da alma, que podemos nós fazer além de não embarcar no mesmo logro?
Valha-nos Deus!

10 Comments:

Blogger Manuel CD Figueiredo said...

Eu vi.Em frente à Câmara Municipal do Porto, numa estátua de bronze!
Depois deve ter estado na Póvoa, porque o cartaz da propaganda enganosa, colocado no decrépito edifício chamado «Cine-Teatro Garrett», dizia: «O Garrett vem aí».
O cartaz já se foi, e com ele o Garrett foi-se! Deve ter ido para a sua Praça, a de Almeida Garrett,cá na «capital». Isto é apenas um palpite, já que naquela praça há muito espaço para...Teatro ao Ar Livre!

29 março, 2006 14:17  
Blogger Tony Vieira said...

Ao ler este texto veio à memória tudo o que já se escreveu, lá no blog, sobre isto. Será que dá vontade de rir?

29 março, 2006 14:41  
Anonymous Anónimo said...

O que é escandalosamente deprimente é o Aires mentir como mente... Como é possível alguém dizer que já há financiamento e nem sequer estar a obra candidatada???

Chega de tanta falta de respeito por todos nós!

30 março, 2006 00:47  
Anonymous Anónimo said...

Estes gajos são do pior!
Troxas é o poveiral que acredita neles!

Olag

30 março, 2006 00:48  
Blogger Clave said...

Como em muitas outras obras anunciadas, nas eleições, o Garrett não vai sair porque eles não têm dinheiro para mais.
é como alguém já disse trouxas são os Poveiros que acreditaram neles.
As obras na Póvoa acabaram, porque eles como não sabem gerir, o dinheiro não chega para tudo.

30 março, 2006 09:14  
Blogger Pobeirinho said...

vão ao blog povoalimpa dar opinião pf

01 abril, 2006 00:08  
Blogger radioondaviva said...

A Rádio Onda Viva 96.1 associou o seu blog no site www.radioondaviva.pt.
Se não Concordar envie pf um mail para cancelarmos.
Cumprimentos, Octávio Correia

01 abril, 2006 12:55  
Anonymous Anónimo said...

O Vieira é um troca tintas, o Aires é um finório e o Diamantino é um saltitão armado em esperto!
Passam a vida a enganar-nos...
Quando é que acordam os poveiros?

PONG

04 abril, 2006 13:14  
Anonymous Anónimo said...

FFFFFFFFFF

04 abril, 2006 15:24  
Anonymous Anónimo said...

É impressionante como é que depois de tantos enganos e mentiras a todos os poveiros, há quem vote neles!

10 abril, 2006 13:44  

Enviar um comentário

<< Home