19 março 2006

NUCLEAR, NÃO OBRIGADO!

Manifestação em Ferrel, perto de Peniche.


Em Abril de 1986 dava-se perto de Kiev o maior desastre de sempre em centrais nucleares, cujos efeitos ainda persistem

Dez anos antes, em 15 de Março de 1976, o povo de Ferrel, uma aldeia situada perto de Peniche, marchou unanimemente do centro da freguesia até aos campos do Moinho Velho, a quatro quilómetros, onde se tinham iniciado obras relacionadas com a projectada “primeira” central nuclear portuguesa, e exprimiram a sua categórica recusa de que ali fosse construída.
Esse foi o início de um processo que levou praticamente ao abandono, em 1982, pelo governo de então, de centrais nucleares em Portugal.

Agora, que alguns querem ressuscitar a perigosa e inútil ideia de centrais nucleares em Portugal, nada preocupados com o nosso bem-estar e qualidade de vida, mas muito interessados em expandir a sua conta bancária, Ferrel foi hoje o centro do país. Hoje comemoraram-se aí os 30 anos sobre a primeira grande manifestação de carácter ambiental no nosso país e relançou-se o debate sobre o problema energético em bases realmente sustentáveis, renováveis e alternativas.

9 Comments:

Blogger UNIVERSALEX said...

O lapis azul do Cá-70 por certo me deixará publicar esta critica...

porque não o nuclear?

ainda não os vi( aos Verdes e seus similares) fazer manifestações contra o programa nuclear ( e militar) do Irão...

Porque será?

20 março, 2006 09:28  
Blogger ping said...

Permite-me que discorde!

A questão é mais profunda do que parece. A prisão que as elites internacionais promovem aos países dependentes do petroleo ( energeticamente) é para durar. Com isto a economia fica aprisonada ao preço do barril em nova york... . Logo, os milhões canalizados para pagar os sucessivos aumentos do petroleo impedem o desenvolvimento do nosso país, com uma dependência externa brutal do ouro negro(central termoelectrica ou combinada). E assim, meu caro, continuamos a andar com carros excessivamente poluentes, de avião sem necessidade, a consumir desmesuradamente e com a corda ao pescoço! E nunca vi uma ONG a manifestar-se contra isto... por isso é que uma central nuclear resolveria a prazo o nosso problema energético, permitiria desenvolver o país, pois haveria mais dinheiro. As pessoas, libertas do jugo do deficit, seriam mais cultas, mais educadas civicamente, não andariam de jeep nas cidades, comprariam carros de baixa cilindrada atendendo às quantidades de CO2 emitidas, andariam menos de avião, canalizava-se mais dinheiro para a investigação liberta do jugo da comunidade científica ... etc. A manipulação global alastra... é preciso combatê-la. Eu sou a favor de uma central nuclear.

1 ab

Ricardo

20 março, 2006 12:19  
Anonymous Anónimo said...

Em que é uma central nuclear resolve o problema energetico dos transportes públicos e privados que andam a gasolina e a diesel mas deviam andar com outras energias?
E as ólicas, e a energia hidrica, a energia geotérmica, a energia das ondas, a energia do sol?
Precisamos de um sistema multidiversificado e descentralizado.

E já agora, será que você tem uma solução para resolver o problema dos resíduos atómicos? É que ninguem ainda resolveu esse problema, pois não?

E se houver um atraque terrorista?

E se houver um sismo de média amplitude? Já pensou nas consequências de uma ruptura?

E quando tiver que desmantelar a central, ao fim do seu tempo de vida, o que faz dos materiais contaminados pela radioactividade?

Tem razão Ricardo, o problema não é simples. è mesmo muito complexo. Mas um coisa é certa: as energias renováveis são sustentáveis. O nuclear, o carvão, o biogás, e os combustíveis fosseis são finitos.

E perigosos!

PONG

20 março, 2006 15:54  
Anonymous Anónimo said...

Já agora consulte os sites sobre a matéria... e veja o artigo na Única do Expresso de sabado passado.

PONG

20 março, 2006 15:59  
Blogger ping said...

Caro "anonymous"

Penso que uma fonte de energia barata a alimentar fábricas, industrias etc promoverá um novo paradigma social!

O sistema de transportes já tem alternativa como todos sabem!

As energias alternativas( para consumo doméstico) actuais são patéticas: mar ( só conheço um projecto na aguçadoura sem resultados ); eólica - centenas de turbinas espalhadas pelos montes para produzirem uma parcela de energia infima da necessária; solar - só com uma nova mentalidade e com mais dinheiro no bolso(com grande potencial doméstico mas com elevados custos de manuntenção); hidrica - esgotado; geotérmica - problema da localização.



O problema energético, mantendo o nosso padrão actual de vida, só se poderá resolver de duas formas: a fusão nuclear a frio; a cisão nuclear (mais divulgada actualmente) e a energia electromagnétia (EM), energia retirada ao dipolo eléctico (+-) .

Cabe-nos abrir as cabecinhas do "homo sapiens" para o futuro.

Cuidado com as ONG do ambiente a soldo dos fundos Rockefeller da ONU! Estão manipuladas pelo dinheiro do petróleo!

1 ab Ricardo

http://www.cheniere.org/

20 março, 2006 22:16  
Blogger Manuel CD Figueiredo said...

Somos um pequeno país com muito poucos recursos naturais, e estamos, como se sabe, muito dependentes do petróleo; só este facto obrigar-nos-ia a ter que pensar, que é coisa que os portugueses não gostam de fazer.
Os tais escassos recursos de que dispomos são até valiosos, como é o caso do Sol(temos uma capacidade riquíssima),da energia das ondas(projectos que se instalam e se abandonam), energia eólica, e mais. E que aproveitamento é que fazemos de tudo isto? NADA. Somos grandes é a desperdiçar o que já temos!
A única solução para o nosso desenvolvimento é a energia nuclear? Demonstrem que assim é.
Organize-se um debate aberto, na Póvoa, com convidados qualificados, e olhemos então para as conclusões. Haverá surpresas.
Até lá, Nuclear NÃO, Obrigado.

20 março, 2006 23:23  
Anonymous Anónimo said...

Mas quem é que disse que é favor do Petroleo? E já agora, o Patrick Monteiro está a soldo de quem? Será que está mesmo preocupado que vivámos à luz das velas? Está preocupado com o bem estar das massas ou está a pensar nas MA$$A$?
O Figueiredo tem razão. è preciso debater...faça-se um debate público...sério! Ouçam-se os especialistas... e ja´agora, independemente do que tenham para dizer, imaginem este tirinha à beiramar planta depois de um desastre nuclear...

PONG

21 março, 2006 08:50  
Blogger Mário de Sá Peliteiro said...

Um dado importante que me falta: nos últimos 25 anos quantas centrais foram construídas e aonde?

21 março, 2006 14:05  
Blogger CÁ FICO said...

Bom...Nuclear... SIM! OBRIGADO!

A Espanha aqui ao lado, tem Nuclear...Os nossos rios internacionais recebem os efeitos da opção nuclear espanhola...

O nuclear francês e espanhol, aumento aqualidade de vida dos seus cidadãos...

Portugal continua na miséria...nuclear é opção sim assim com a queima dos residuos nas centrais betoneiras, etc. etc...
deixem-se de intelectualisses e vamos mas é trabalhar...e desenvolver-nos com energia barata... tanto mais que somos uma (canas de senhorim - minas da urgeiriça?)considerável fonte de probutos minerais donde se extrai o urânio para as centrais nucleares...

De que é que estamos à espera?

Já viram o custo da energia, combustiveis liquidos e gasosos( e o preço do Gaz)? Não seria mais económico evantajoso o nuclear?

Os veiculos movidos a hidrogenio ( obtida da água por electrólise) ainda vão demorar muito poisé dificil conseguir um tanque seguro,pequeno e leve e que contenta quantidade suficiente para autonomia resoável dos automóveis...par além do seu elevado custo...

21 março, 2006 16:10  

Enviar um comentário

<< Home