19 fevereiro 2011

CONTINUAM A ESTICAR A CORDA


Vale a pena ler o texto de Rafael Barbosa, na edição do JN de 14 de Fevereiro de 2011


Do que o país precisa é de uma moção de censura ao regime

O país não precisa de uma moção de censura ao Governo. Do que o país precisa é de uma moção de censura ao regime.

1. O partido no poder precisava de ajuda nas eleições. Os "boys" resolveram o problema: um contrato de 750 mil euros com Luís Figo, que, como contrapartida, deu uma entrevista laudatória num jornal e tomou um pequeno-almoço em vésperas de eleições. Acrescento apenas que, apesar da ausência de aspas, esta acusação não é minha. Nem sequer de algum lunático de um qualquer partido dos extremos. Menos ainda de algum dirigente do partido alternativo do centro. Quem isto afirmou, assim, preto no branco, foi uma juíza de instrução criminal. Já sabemos que todos os réus são inocentes enquanto não forem condenados, deixemos os Thomati, os Soares e os Silva em paz até ao julgamento. A questão é outra: isto não incomoda nem um bocadinho o senhor que tomou o pequeno-almoço com Figo?

2. Oliveira e Costa é um génio dos mercados. Num dia conseguiu um lucro de 9 milhões de euros a comprar e a vender acções da Sociedade Lusa de Negócios, a "holding" que detinha o BPN. Foi assim: comprou sete milhões de acções da SLN a um euro cada uma e recebeu, umas horas depois, 16 milhões de euros pelas mesmíssimas acções, compradas por uma sociedade "off-shore" da SLN. Observando esta operação, também conhecida por moscambilha, percebe-se que afinal Cavaco Silva ficou a ganhar quando decidiu também ele vender as acções que comprou a um euro. Conseguiu mais 20 cêntimos por acção que Oliveira e Costa.

3. Sucedem-se as notícias sobre os efeitos da crise em 2010. Uma delas diz que os quatro maiores bancos conseguiram manter o patamar de lucros: os mesmo 1400 milhões de euros que já tinham somado em 2009. Mas os nossos banqueiros conseguiram também pagar menos impostos: uma poupança de 168 milhões. Rima na perfeição com a austeridade que o regime impôs a quase todos os outros, cidadãos ou empresas: mais impostos e menos dinheiro no bolso ou em caixa.

4. O país não precisa de uma moção de censura ao Governo. Do que o país precisa é de uma moção de censura ao regime. De que nos serve sermos chamados a eleições, votar, eventualmente mudar o partido no Governo, para que tudo fique na mesma? Só vale a pena mudar, se for para mudar de vida. Para acabar com a corrupção disfarçada de marketing político. Para acabar com a corrupção disfarçada de negócios sofisticados com palavras caras. Para acabar com o clientelismo que mantém os mesmos incompetentes, durante anos, à frente de empresas públicas. Para acabar com as transferências de membros de um qualquer Governo directamente para bancos e para empresas de construção civil. Para acabar com o sufoco fiscal a que são submetidos os portugueses que trabalham e as empresas que produzem, para que algumas elites da capital vivam à conta do Estado. Se não for para mudar tudo isso, e provavelmente não será, de que nos serve uma moção de censura?

3 Comments:

Blogger Manuel CD Figueiredo said...

O balanço, e uma possível solução (moção de censura ao regime) leva-nos a perceber que de facto não há qualquer alternativa viável, no actual sistema (e quadro) político.
Mas, mudar o estado de coisas é preciso! É impossível - e custa-me fazer esta afirmação - manter o país nesta situação, sempre a piorar, por muito mais tempo! Os continuados danos causados já foram tantos e tão profundos que só um quase milagre os poderá remediar. As gerações mais novas anseiam desesperadamente por algo em que possam mesmo acreditar. E merecem essa esperança! Nós temos a obrigação de lutar por essa causa!
Mais do que censura ao regime é necessário e urgente mudar-se o regime.

25 fevereiro, 2011 18:58  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Este governo vai em contramão e... julga que todos os outros é que vão errados...

12 março, 2011 14:20  
Anonymous Anónimo said...

Só agora é que descobriram a polvora seca!!!???... é tarde, muito tarde, desde que os militares entregaram o poder aos civis que ficou claro o sentido deste regime; Governarem-se todos em nome do povo, os partidos politicos não são mais que organizações mafiosas ao serviço dos poderosos, sem excepção, comem todos na mesma gamela, estão todos acomodados e felizes da vida, o povo trabalha e eles mamam, mamões!...

20 março, 2011 20:05  

Enviar um comentário

<< Home