08 dezembro 2005

UM HOMEM NÃO SE RENDE

Um destes dias disse a um amigo que "a minha experiência como Vereador está a ser interessante, mas é triste ver como as maiorias absolutas potenciam a arrogância que, normalmente arrasta a estupidez e a mediocridade..."
Ele retorquiu, trazendo à conversa o desabafo de Rui Barbosa, antigo jurista brasileiro, diplomata, político de grande cultura e amor à pátria que, numa das suas manifestações na tribuna do Senado, ao ser vítima de ataques caluniosos, em 1914, terá exclamado: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto"!
Em momento de desalento talvez haja essa tentação.
Mas, como diz Manuel Alegre “Um homem não se rende. Talvez seja por isso que estou aqui, não sei ao certo onde nem desde quando, talvez desde sempre, no meio de um quadrado, cercado e sozinho, mas não vencido.Algures alguém me reabastece. Algures sabe que não me rendo.Todos os dias, pelas seis da tarde, aperta-se o cerco. Todos os dias, à mesma hora, me coloco em posição. É estranho que não me acertem, verdade seja que também não sei se alguma vez atingi o inimigo, se assim lhe posso chamar. Chego a perguntar-me se não é sonho, se tudo não é apenas um pesadelo e se de repente não vou acordar.Seja como for, a guerra continua. Em sonhos ou não, continua. São quase seis da tarde e sinto que eles se aproximam. Todos os dias é assim, todos os dias defendo o meu quadrado.- És um homem sozinho e a tua guerra está perdida, gritam eles. Sei muito bem que estou sozinho. Mas enquanto me bater a guerra não está perdida, ainda que se me perguntassem que guerra é eu não soubesse ao certo responder. Diria talvez que é a guerra de um homem no meio do seu quadrado. Um homem que se bate, talvez em sonho, porque tudo se calhar é sonho. Sonho de um sonho, lembro-me de ter lido algures. Que importa? Sonho ou não, eles aí estão, tenho de defender o meu quadrado, não há outro sentido senão este, lutar até ao fim, um homem não se rende, não seria bonito, seria, aliás, se me permitem, uma falta de educação, uma grande falta de educação.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home